cccC

 

                 

      Aroldo Torquato                 Sérgio M.           Eduardo M.                                             Ana Cariêlo

_______________________________________________________________________________

VIAGEM AO ENCONTRO DO MESTRE: O ENCANTADOR DE CAVALOS

Escrevo esse texto ainda no ar voando de Los Angeles para São Paulo. Tamanho é meu entusiasmo e vontade de compartilhar as experiências vivenciadas nesta última semana que me senti compelido a não esperar nem mais um segundo em colocá-las no papel.

Voltemos porém, um pouco no tempo, para aqueles que agora lêem este artigo possam se situar. Há alguns meses iniciei uma criação do cavalo manga larga Machador em meu rancho em Jacareí, estado de São Paulo. Sabendo da minha empreitada, um grande amigo recomendou que eu lesse um livro chamado “O homem que ouve cavalos” best seller do New York Time, e que versa sobre a vida e os métodos de Monty Roberts, um caubói do oeste americano que prega a utilização de métodos não-violentos na lida com estes animais. Talvez mais pelo fato de ser um Best seller e menos pelo teor de seu conteúdo comprei-o imediatamente, e terminei de lê-lo após uma semana. O livro é fantástico. Talvez um dos melhores que já li em toda a minha vida. Narra a historia de toda uma vida deste caubói que se tornou um mito em todo o mundo. O que o torna porém, mais interessante são as passagens aonde notamos como momentos e personagens marcantes de nossa história recente cruzam a vida deste caubói. Personagens estes que vão desde James Dean (que sofreu seu acidente indo visitá-lo em seu racho) até sua Majestade a Rainha Elizabeth (que se tornou sua grande amiga) transformando a obra numa espécie de Forest Gump verídico.

Tamanho foi meu entusiasmo pela história de sua vida, que imediatamente procurei mais dados na internet e cheguei ao seu site (WWW.momtyroberts.com) onde além de informações sobre seus métodos, notei que havia um curso a ser ministrado pelo próprio Monty Roberts que começaria dentro de algumas semanas. Em pouco mais de 24 horas já estava inscrito no curso, com passagens compradas para Califórnia e contado as horas para conhecê-lo. Convenci também ao amigo que havia me presenteado com o livro a ir, e dia primeiro de agosto estávamos pousando em Los Angeles. O curso começou numa segunda feira, pontualmente às nove da manhã. Estávamos nós, cerca de 40 alunos, reunidos numa sala de aula quando Monty Roberts entrou. Monty é um senhor de 74 anos, que se veste ainda em seus trajes de caubói, tem sempre um sorriso no rosto e um olhar cativante. Bastaram apenas alguns minutos, para notarmos que estávamos diante de alguém realmente especial.

Por cerca de uma hora, Monty nos apresentou a seu staff, e fez uma breve introdução a seus métodos. Estaríamos trabalhando durante a semana 18 cavalos, todos problemáticos ou que nunca haviam sido domados. Fomos então para o redondel, arena circular com piso de areia. Onde Monty trabalha seus cavalos. Havia se passado apenas uma hora de curso, dentro de uma sala de aula, e já estávamos observando Monty trabalhando cavalos na prática. Ali este homem de 74 anos se transforma num gigante. Logo no primeiro cavalo trabalhado, um exemplar completamente xucro, tivemos a primeira grande emoção da semana. Bastaram apenas 4 minutos (acreditem verdadeiramente 4 minutos!), para este cavalo que entrara arredio saltando seu ombro, como se tivesse encontrado um novo líder. Isto sem ambos nunca terem se visto, e sem que seus olhos, agora marejados pela emoção do que viam, com a sensação de estarem dentro de um filme ficção que era inexplicavelmente real.  E assim seguiu a semana, cavalo após cavalo, aula após aula, uma seqüência de momentos tocantes e que desafiavam nossa razão.

Vimos cavalos que davam coices quando tocados em qualquer parte de seu corpo largarem de forma definitiva sua mania após apenas alguns minutos de trabalho. Assistimos cavalos que nunca haviam sido tocados pelo ser humano, aceitarem a presença de um cavaleiro junto a si também em minutos. Aliás, a unidade de tempo para que Monty Roberts trabalhe seus cavalos é o minuto. Não houve durante toda a semana exemplo de cavalo sequer que tivesse precisado mais de uma hora para mostrar resultados do tralho que lhe fora feito. E isto inclui um cavalo que foi iniciado, trabalhado e montado pela primeira, sem que todo o processo levasse mais de 20 minutos! Monty é muito pragmático, assim como seus métodos. A base de seus ensinamentos parte do princípio que cavalos tem apenas dois objetivos na vida: sobreviver e reproduzir. Nesse sentido se pudermos mostrá-los que podem sobreviver ao nosso lado, ou mais ainda, que seu bem estar é melhor junto a nós do que longe de nós, terá um companheiro para o resto de sua vida. Basta para isso recompensá-los ou alertá-los, sempre sem violência, de acordo com suas atitudes. A curva de aprendizado é muito mais rápida do que poderíamos imaginar. Mas os ensinamentos de Monty não se restringem a cavalos, podem ser utilizados tanto no trado com outros animais, mas também na vida de uma forma mais ampla. Tínhamos no curso varias pessoas interessadas em aprender seus métodos para lidar com crianças abandonadas, com presidiários, ou mesmo interessadas em aplicar seus conceitos ao mundo corporativo. O que impressiona é que este caubói tinha todos os motivos para se comportar com uma estrela. Famoso em todo o mundo, merecedor de mimos de sua Majestade a Rainha da Inglaterra, amigo intimo de ex-presidentes dos Estados Unidos e dono de uma propriedade que lembra as mais belas que já vimos em filmes de cinema. Ele porém, é de uma humildade e simplicidade franciscana.

Recebe os alunos todos os dias em sua casa para que almocem no jardim, debaixo da copa de uma de suas frondosas arvores. Depois do almoço, senta se ao redor da turma e conversa sobre os mais variados assuntos, num clima que mais lembra a conversa de um pai ou avô do que com uma celebridade. Vale lembrar que ao redor de sua casa, varias corsas passeiam em meio aos visitantes, encantadas também pelo poder que tem este homem de se aproximar dos animais e ganhar sua confiança proporcionando uma cena que poucos poderiam acreditar se lá não estivessem assistindo. Tive o prazer de ao final do curso ser convidado por Monty para passarmos um dia juntos, cavalgando por sua fazenda. Mais emocionante foi perceber que havia selado para mim, seu cavalo mais famoso, Shy Boy, mustang selvagem capturado nas reservas Americanas, num documentário da BBC de Londres que mostrou como era possível aproximar-se e iniciar-se um cavalo selvagem sem utilizar qualquer tipo de violência, usado para isto apenas seus métodos de comunicação com cavalos. Por onde eu passava as pessoas perguntavam como era estar montando o cavalo mais famoso de todos os tempos.

Imprescritível... jantamos depois em sua casa, com sua adorável esposa Pet e sua filha Debbie e despedimo-nos, pois, era chegada a minha hora de voltar para casa.

EDUARDO MOREIRA

-------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------

 

Sérgio Moraes
John & Josh Lyons Certified Horse Trainer
Treinador Certificado por John & Josh Lyons

 

HORSEMANSHIP: COMO  LIDAR COM CAVALOS

PERCEPCAO…aquele misterioso componente da comunicacao que, uma vez em nossas maos e entendida, de alguma forma magica transforma cavalo e cavaleiro em uma unidade mitica, um conjunto de beleza e harmonia...abrindo as portas secretas de uma comunicacao nunca antes vista, ouvida ou sentida.

Mas o que e PERCEPCAO? A resposta e tao variada quanto as respostas que voce teria se perguntasse: Quem e e onde esta Deus?

No entanto, embora PERCEPCAO possa ser em grande parte intangivel e abstrata, ela e certamente um conceito. Eu posso afirmar isso: o que quer que seja a PERCEPCAO para os humanos, para o cavalo e a sua verdadeira e unica linguagem.

Meu problema com os treinadores de horsemanship e que muitos afirmam que horsemanship nada mais e que “Feel, Timing, and Balance”. Isso pode ser valido para aqueles que trabalham com cavalos ha anos, e que passaram anos estudando os principios do horsemanship, mas para a maioria dos proprietarios de cavalos isso nao tem nenhum significado. E como se o instrutor estivesse falando um jargao estranho que apenas ele e o cavalo entendem. De alguma forma esses instrutores atingiram o “Feel, Timing and Balance” transformando-se magicamente em verdadeiros “encantadores de cavalos”. Isso tende a levar a muitas decepcoes para o proprietario de cavalo que realmente deseja um melhor relacionamento com seus cavalos. A forma com que muitos dos treinadores e instrutores falam sobre ‘Feel, Timing and Balance’ faz com que inicialmente o proprietario de cavalo pense que e algo inatingivel. Algo como ter que se graduar em Fisica Quantica ou formar-se em Engenharia Atomica.

Mas gostaria de deixar algumas palavras de incentivo…PERCEPCAO e totalmente atingivel e qualquer pessoa pode experimentar e trabalhar com isso... SE…elas puderem entender o que e na sua forma mais simples…e SE…elas tiverem o desejo de ter uma mente aberta e que busca tentar algo diferente …e SE…elas se dispuserem a investir o tempo para permitir que seus cavalos as ajudem a experimentar o que significa trabalhar com PERCEPCAO. Como chegar la? ...PENSE E SINTA...Lembre-se, voce esta trabalhando com mentes, entao faca suas ideias se tornarem ideias deles tambem.

“Em resumo, lembre-se da palavra PENSAR. Esteja atento e alerta, visualize o que voce quer. Perceba que voce esta trabalhando com uma mente. Muitas pessoas pensam que e apenas um cavalo, mas existe uma mente operando esse cavalo.”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”


Eu acredito que ninguem pode ensinar PERCEPCAO. Tom Dorrance nao podia. Bill Dorrance nao podia. Nenhum humano pode realmente ensinar o que e PERCEPCAO. O que eles PODEM ensinar sao os mecanismos corretos de requisitar coisas aos cavalos. Como ajudar o cavalo a responder a essas requisicoes. Ajudar o cavaleiro a saber quando o cavalo esta respondendo e como recompensa-lo por isso. Requisitar, Resposta, Recompensa(Alivio). Existem certas complexidades envolvidas em ensinar isso, mas eventualmente quem tentar acabara desenvolvendo sua propria PERCEPCAO. E isso sim eu acredito que possa ser ensinado. E acredito que os irmaos Dorrance foram provavelmente os melhores em ensinar os outros a desenvolver a sua propria PERCEPCAO. E tambem acredito que eles foram os melhores em descobrir e entender a PERCEPCAO individual de cada cavalo.


Veja, minha PERCEPCAO sera diferente da sua PERCEPCAO. A forma como eu apresento PERCEPCAO ao cavalo e diferente da forma como outra pessoa apresentaria ao mesmo cavalo...ainda que ambos usem a mesma tecnica. O mesmo cavalo vai responder de forma diferente as nossas requisicoes.

PERCEPCAO e verdadeiramente tao pessoal e individual para o humano quanto e para o cavalo.

Eu explico PERCEPCAO da seguinte forma: primeiro, o componente mais basico da PERCEPCAO e a pressao...e o alivio da pressao...Essa e a forma basica de comunicacao na linguagem do cavalo. Agora, existem diferentes tipos de pressao…pressao fisica…pressao mental...e pressao emocional. Embora cada uma delas se sobreponha as outras de alguma forma, cada tipo de pressao e muito individual. Mas PERCEPCAO nao e apenas pressao e alivio, se fosse simples assim, qualquer pessoa que da trancos com as redeas na boca do cavalo seria considerada como usando PERCEPCAO. E isso e totalmente incorreto.
Eu explico PERCEPCAO fazendo uma analogia com duas pessoas aprendendo a dancar a valsa
Estes dois alunos, um homem e uma mulher vao a escola de danca. O instrutor explica a eles sobre o que e a valsa. Entao ele da uma demonstracao dos movimentos da valsa. Entao o instrutor pega cada um dos alunos separadamente e ensina a postura, os movimentos dos pes que sao necessarios na valsa. Entao, os alunos se juntam e sao instruidos sobre a posicao correta do corpo de cada um em relacao ao outro durante a valsa. Onde por os pes, como segurar a mao do parceiro, costas retas, peito aberto, ombros para tras, etc, etc...
Entao, sob a orientacao do instrutor, eles dao os primeiros passos. Ambos estao olhando para baixo, para seus pes, enquanto contam em voz alta, um, dois, tres...
Apos algumas semanas de pratica, eles ja nao olham mais para os pes, mas seus passos ainda estao duros, travados, mas ainda se movem seguindo a batida, um, dois, tres…
Mais algum tempo depois e os movimentos deles ja nao sao mais duros. Eles aprenderam a deslizar seus pes suavemente. Eles olham diretamente para o parceiro e eles estao dancando. No entanto, eles ainda estao dancando em um padrao de coreografia que o instrutor os ensinou. Eles estao perto de atingir a PERCEPCAO, mas ainda nao chegaram la. Ainda nao aprenderam a deixar fluir e seguir o fluxo...e apenas PERCEBER...SENTIR...
Finalmente chega o momento em que eles atingem a PERCEPCAO…e com isso, MOMENTO, EQUILIBRIO e RITMO parecem se encaixar de forma magica. Ambos parceiros dao-se as maos e assumem a posicao e a musica comeca…eles comecam a se mover...mas agora...o homem esta levando sua parceira numa valsa estilo livre, nao ditada pela coreografia. Eles deslizam para frente e para tras e giram 180 graus sem nenhum esforco.
Ele ja nao precisa mais puxar sua parceira em sua direcao quando da passos para tras. Ele nao precisa mais empurrar a parceira quando da passos a frente. Cada um de seus passos encontra uma reacao da parceira com um passo que casa com os dele. Quando ele encurta a distancia dando um passo em direcao ao espaco dela, ela sem esforco cede aquele espaco e mantem a posicao apropriada, o momento, o equilibrio e o ritmo. Quando ele comeca a girar ela reage da mesma maneira, abrindo as portas para que ele coloque seus pes na posicao apropriada e quando ele para de girar em uma nova posicao dentro do circulo, ela o segue e preenche aquele espaco vazio, constantemente mantendo o ritmo, o momento e o equilibrio da danca.

Como isso e atingido? Com o homem fisicamente empurrando o corpo dela com as maos? Ou puxando ela em direcao a ele quando da passos para tras? Nao. Isso e atingido atraves da PERCEPCAO.
O seu componente basico e pressao e alivio. Mas essa pressao nao e tanto de empurrar e puxar atraves de contato fisico direto. E mais um contato indireto ou implicito. Pressao indireta e pressao implicita. Isso e na forma mais simples o significado da PERCEPCAO e como ela funciona.
Horsemanship e muito semelhante a valsa. O conceito de PERCEPCAO, MOMENTO, RITMO e EQUILIBRIO. E tudo parte da harmonia e unidade da danca.

“Perceba!Uma percepcao seguida de outra – Nao ha pressao mental ou fisica.”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”



.Nos meus cursos eu procure ensinar isso. Pressao e alivio. Requisicao, Resposta, Recompensa. Momento, Ritmo e Equilibrio.

Ainda que cada participante interprete e traduza o conceito de PERCEPCAO de formas diferentes. De novo, isso nos leva ao que eu afirmei anteriormente, que PERCEPCAO nao pode ser ensinada por humanos. Pode apenas ser conceitualizada. Quando em meus cursos os participantes iniciam seus trabalhos com seus cavalos, eles encontram diferentes dificuldades para descobrir sua propria PERCEPCAO. Alguns descobrem mais cedo e de repente ja estao interagindo com seus cavalos de forma suave e sem esforco. Outros levam mais tempo para descobrir isso. Eles passam o dia inteiro com seus cavalos desejando poder trabalha-los como os outros participantes estao fazendo. Alguns chegam ate a considerar seriamente em vender o seu cavalo. O que eles nao entendem e que isso ira ocorrer novamente com qualquer outro cavalo, a nao ser que eles invistam o tempo necessario para desenvolver a sua propria PERCEPCAO.

Por que PERCEPCAO nao pode ser comprada em lojas. Nao pode ser acoplada ao seu cavalo como uma peca da tralha. Nao e questao de elevar o trote ou de executar um passo lateral usando apenas a pressao das pernas. Voce nao consegue aprender PERCEPCAO atraves de um DVD, e se alguem disser que pode te ensinar PERCEPCAO, cuidado...


O unico professor que pode ensinar os humanos sobre PERCEPCAO e o cavalo.

 




 

 

“Percepcao e tudo o que o cavalo tem para seguir..”
Bill Dorrance / Leslie Desmond
“True Horsemanship Through Feel”


Isso e absolutamente verdadeiro. Percepcao e tudo que o cavalo tem para seguir. E a sua verdadeira linguagem e os cavalos estao constantemente esperando que os humanos entendam isso. Entendam o conceito de PERCEPCAO e a forma de comunicacao que ele oferece.


Uma vez que conseguimos trabalhar com a PERCEPCAO, o cavalo comeca a se libertar, e nos descobrimos de repente que estamos nos dando melhor com ele e que os obstaculos que existiam em nosso treinamento agora se tornaram experiencias de aprendizado.

Isso torna-se quase que como um jogo de “Como eu posso usar a PERCEPCAO para ensinar meu cavalo a embarcar no trailer?” ou “Como a PERCEPCAO pode me ajudar a fazer melhores transicoes de andaduras?” Com muito entusiasmo voce comeca a tentar encontrar maneiras de aplicar estes principios, conceitos e teorias do horsemanship atraves de PERCEPCAO em tudo o que voce faz.

Entao, onde comecamos a aprender sobre PERCEPCAO e como trabalhar com ela?
Bom, o primeiro passo e esquecer os antigos metodos de treinamento. Esqueca tambem todos os equipamentos mecanicos para conter o cavalo. Liberte-o destas coisas. E liberte, principalmente, a sua mente. Sente-se, relaxe e…PENSE!! (nos proximos artigos vou falar sobre MOMENTO e EQUILIBRIO).

“Toda vez que for ensinar algo ao seu cavalo, pense: Como eu posso fazer para que meu cavalo entenda o que eu quero dele? (Sergio Moraes).

Cito aqui algumas frases de alguns dos melhores horseman que ja existiram para ajudar na sua inspiracao…


“Pense, lembre-se que voce esta trabalhando com uma mente”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”



“O horseman precisa estar acordado, vivo e atento o tempo todo.”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”



“Pense! Perceba! nao se esqueca dos recessos;de um tempo ao seu cavalo –alcance o seu pescoco e faca-lhe um carinho.”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”





“Faca a sua ideia se tornar a ideia do cavalo.” Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”



“Muito em breve sera apenas uma percepcao seguindo a outra.”
Ray Hunt
“Think Harmony With Horses”



“Quando estamos treinando o cavalo, existem 3 aspectos que devemos considerar: as capacidades fisica, mental e emocional dele.”
John Lyons
“Lyons On Horses”



“Esteja sempre pronto quando estiver com o cavalo, e o tempo todo esteja consciente de quando as coisas comecam a mudar no sistema mental dele.”
Bill Dorrance / Leslie Desmomd
“True Horsemanship Through Feel”



“Como o cavalo esta sempre aprendendo, nos precisamos estar atentos do que nossas atitudes estao ensinando a ele.”
John Lyons
“Lyons On Horses”


“Equilibrio Natural e o modo mais sutil, quase invisivel de comunicacao entre dois seres. Sao sinais que mudam o centro de gravidade e atraves de puro pensamento e percepcao.”
Klaus Ferdinand Hempfling
“Dancing With Horses”



“Como sabemos, pensar a frente e a chave para o bom horsemanship. Se o cavalo vai se mover para fora e nos nao percebemos ate que ele de o passo, estamos em geral criando uma “quebra” se o seguramos para impedi-lo. As coisas podem ser muito mais suaves se sentirmos o movimento e nos anteciparmos a ele. Jan Leitschuh
“Riding Bareback”
The Trail Less Traveled Magazine

“Seja um cavaleiro pro ativo! Antecipe-se ao cavalo, perceba o que ele esta querendo fazerantes que ele o faca e tome a atitude necessaria. Exemplo: A galope, antes de uma curva, a tendencia e do cavalo cair no trote ou perder o ritmo. Perceba isso antes, comece a apertar as pernas antes da curva e sinalize ao seu cavalo que quer manter o ritmo e a andadura. O cavalo vai entender, acredite...(Sergio Moraes)



“Um bom horseman tem a habilidade de pensar. O horseman que nao consegue pensar nao tem a habilidade de fazer seu cavalo pensar tambem.”
Sam Powell
“Almost A Whisper”


“A melhor coisa que eu fiz para mim mesmo foi tentar ouvir o cavalo. Nao significa deixar ele assumir o controle. Eu escuto como ele esta funcionando, o que esta entendendo e que nao esta entendendo, o que o incomoda e o que nao incomoda. Eu tento perceber o que o cavalo esta sentindo e trabalho a partir do ponto onde o cavalo esta.”
Tom Dorrance
“True Unity”

“O bom treinador consegue escutar o cavalo falar. O excelente treinador consegue escutar o cavalo sussurrar.” (Sergio Moraes)


“Faca o que o seu cavalo faz, e faca com o seu corpo o que quer que o cavalo faca com o dele”
Linda Parelli
“Riding With Fluidty”



“O cavalo e muito mais perceptivo a falta de foco e concentracao do que nos imaginamos. E da natureza do cavalo detectar falta de lideranca, e ele vai preencher esse espaco e se tornar o lider, o que resulta no cavalo tirando vantagem do cavaleiro.”
Julie Goodnight / Jennifer Barron
“Is This Horse More Than You
Should Try To Handle?”
The Trail Less Traveled Magazine



“Quanto mais MOMENTO, RITMO e PERCEPCAO nos usamos, mais desenvolvemos a nossa consciencia e mais leve e suave se torna o cavalo.”
Richard Shrake,
www.richardshrake.com



MATÉRIAS

A ORIGEM DO JUMENTO PEGÂ: AROLDO TORQUATO VERISSIMO DE ALMEIDA

03/12/2012 23:13
  A ORIGEM DO JUMENTO PEGÂ  AROLDO TORQUATO VERISSIMO DE ALMEIDA* Perdem-se no tempo as pegadas que nos levam a origem do jumento Pegâ. No entanto ao longo do caminho encontramos inúmeros rastros daqueles que foram os precursores na criação desse robusto animal que contribuiu...

CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SUAS IDEOLOGIAS IQUIVOCADA SOBRE O DIREITO DE PROPRIEDADE E O USO DA TERRA

03/12/2012 22:51
  CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SUAS IDEOLOGIAS IQUIVOCADA SOBRE O DIREITO DE PROPRIEDADE E O USO DA TERRA Vamos criar o "NO FOOD DAY" para os ambientalistas e para os políticos que apoiam o novo C.F. * Aroldo Torquato Veríssimo de Almeida     Soa tão bestial a idéia de...

HISTÓRIA DOS ÍNDIOS ARIKEMES

03/12/2012 22:48
  HISTÓRIA DOS ÍNDIOS ARIKEMES Período do contato com Rondon. Onde habitavam. Quantos eram. Quem eram eles. Sua cultura. Último povoamento. Fuga e Extinção da tribo.   Um século depois que o sertanista e explorador Marechal Mariano Cândido da silva Rondon visitou o último...

Os tropeiros visto pelos estranjeiros no ano 1850

18/07/2012 20:44
MEMÓRIAS DE UM COLONO NO BRASIL BIBLIOTECA HISTÓRICA BRASILEIRA Direção de Rubens Borba de Moraes Thomas Davatz Memórias de um Colono no Brasil (1850) As estradas do Brasil, salvo em alguns trechos, são péssimas. Em quase toda parte falta qualquer espécie de calçamento ou mesmo...

RODEIO CRIOULO NACIONAL - CABAÑA RECREIO

27/09/2011 22:26
  RODEIO CRIOULO NACIONAL Sempre durante a Semana Farroupilha no mês de setembro, acontece na cidade de Ariquemes que dista 200 km da capital do Estado Porto Velho, mais uma etapa do Rodeio Crioulo Nacional. Já a mais de uma década e meia a Cabaña Recreio do saudoso tradicionalista...