A ORIGEM DO JUMENTO PEGÂ

 AROLDO TORQUATO VERISSIMO DE ALMEIDA*

Perdem-se no tempo as pegadas que nos levam a origem do jumento Pegâ. No entanto ao longo do caminho encontramos inúmeros rastros daqueles que foram os precursores na criação desse robusto animal que contribuiu sobremodo para o desenvolvimento do Brasil, principalmente durante o século XVIII quando o processo de mineração passou a exigir um animal de tração e carga capaz de vencer as cadeias de montanhas mineiras, pelas quais eram escoadas toda a produção das minas à época.

Foi a partir desse momento que a utilização do jumento para a formação de planteis de burros e mulas para o serviço de mineração e transporte de mercadorias tomou um novo rumo no processo seletivo dos criadores mineiros que viviam quase que isolados numa imensa região de difícil acesso para chegar até a corte. Pelas características morfológicas do Jumento Pegâ pode se observar que ele teve sua origem na variedade de jumentos egípcios e, por conseguinte, ainda apresenta a pelagem branca na fronte e nos membros, coisa que não ocorre nas variedades E.A africanus e E.A Europeus.

Em que pese ainda haver uma ampla discussão sobre qual tronco teria dado origem a raça pega, uma coisa é dada como certa sobre a importância do religioso português Manuel Maria Torquato de Almeida em todo esse processo seletivo meio que ao acaso teve seu inicio lá pelos idos de 1810. Sabe-se que o Padre Torquato de Almeida era um homem visionário que vislumbrou para a raça um futuro promissor. Por isso, em sua fazenda no município de Entre Rios, Minas Gerais deu-se inicio a criação usando jumentos melhorados geneticamente oriundos dos acasalamentos entre jumentas egípcias e jegues italianos.

Cabe lembrar que outro personagem fundamental no processo de formatação e padronização do Pegâ que hoje existe foi Eduardo José de Rezende que continuou o processo seletivo em sua fazenda Engenho Grande dos Cataguazes, em Lagoa Dourada, também em Minas após comprar um tropa do Pr. Torquato de Almeida em 1847.

Com relação à origem do nome Pegâ pode-se dizer que também não há uma convergência para um único ponto. A história mais provável sobre a origem do termo e também aquela que é sustentada pela ABCJPEGÂ (Associação Brasileiras dos Criadores de Jumentos Pegâ) é que o nome se deve ao fato de que Pegâ era um instrumento com duas argolas de ferros que servia para prender os tornozelos dos escravos. Logo, os criadores passaram a usar uma marca semelhante para queimar os animais que iam nascendo na fazenda que se tornou o berço da raça.

 

* O autor pertence a família do Padre Torquato e é criador da Raça Pegâ em Ariquemes/ Rondônia

ongole@bol.com.br